A Crise de 1929 e a Quebra da Bolsa de Valores de Nova York

A Crise de 1929 foi a pior crise financeira do século XX. Ela começou nos EUA e se espalhou pelo mundo.


Crise de 1929: fila de desempregados
Crise de 1929: fila de desempregados

 

História da Crise de 1929: contexto histórico

 

Durante a Primeira Guerra Mundial, a economia norte-americana estava em pleno desenvolvimento. As indústrias dos EUA produziam e exportavam em grandes quantidades, principalmente, para os países europeus. 

 

Após a guerra o quadro não mudou, pois, os países europeus estavam voltados para a reconstrução das indústrias e cidades, necessitando manter suas importações, principalmente dos EUA. A situação começou a mudar no final da década de 1920. Reconstruídas, as nações europeias diminuíram drasticamente a importação de produtos industrializados e agrícolas dos Estados Unidos. 



Principais causas da crise

 

Com a diminuição das exportações para a Europa, as indústrias norte-americanas começaram a aumentar os estoques de produtos, pois já não conseguiam mais vender como antes. Grande parte destas empresas possuíam ações na Bolsa de Valores de Nova York e milhões de norte-americanos tinham investimentos nestas ações.

 


Consequências da Crise de 1929 nos Estados Unidos:


Aumento significativo do desemprego (chegou a 27%).

 

Falência de várias empresas, principalmente de indústrias.

 

Empobrecimento de grande parte da população norte-americana.

 

Aumento da fome e miséria nos Estados Unidos.

 

Diminuição dos investimentos privados nas indústrias e no setor agrícola.

 

Forte crise no mercado de ações com a desvalorização da maioria das ações.

 

A crise também afetou os bancos e outras instituições financeiras do país.

 

Diminuição significativa no setor de comércio. Com desemprego e menos dinheiro, as famílias reduziram muito o consumo.

 

Embora tenha começado nos EUA, a crise de 1929 (Grande Depressão) atingiu vários países, principalmente da América e Europa, que mantinham laços comerciais mais fortes com os norte-americanos.

 

Desemprego elevado nos Estados Unidos gerado pela Crise de 1929

Desemprego elevado nos Estados Unidos gerado pela Crise de 1929.

 

 

Efeitos da crise no mundo



A crise, também conhecida como “A Grande Depressão”, foi a maior de toda a história dos Estados Unidos. Como nesta época, diversos países do mundo mantinham relações comerciais com os EUA, a crise acabou se espalhando por quase todos os continentes, gerando desemprego, falência de empresas e efeitos econômicos negativos.

 

 

O que aconteceu com o dólar no mundo logo após a crise da Bolsa de Valores de Nova Iorque em 1929?

 

Após a crise da Bolsa de Valores de Nova Iorque em 1929, o dólar norte-americano inicialmente fortaleceu-se devido a uma fuga para a segurança, à medida que os investidores procuravam refúgio na moeda norte-americana. No entanto, à medida que a Grande Depressão se aprofundou, o dólar acabou por enfraquecer à medida que as condições econômicas se deterioravam mundialmente. Este declínio foi exacerbado por políticas protecionistas e desvalorizações competitivas entre os países, levando a uma maior desvalorização do dólar na cena internacional.

 



Efeitos da crise no Brasil: principais consequências

 

A crise de 1929 afetou também o Brasil. Os Estados Unidos eram o maior comprador do café brasileiro. Com a crise, a importação deste produto diminuiu muito e os preços do café brasileiro caíram. Para que não houvesse uma desvalorização excessiva, o governo brasileiro comprou e queimou toneladas de café. Desta forma, diminuiu a oferta, conseguindo manter o preço do principal produto brasileiro da época. Por outro lado, este fato trouxe algo positivo para a economia brasileira. Com a crise do café, muitos cafeicultores começaram a investir no setor industrial, alavancando a indústria brasileira.



New Deal: a solução 

 

A solução para a crise surgiu apenas no ano de 1933. No governo de Franklin Delano Roosevelt, foi colocado em prática o plano conhecido como New Deal. De acordo com o plano econômico, o governo norte-americano passou a controlar os preços e a produção das indústrias e das fazendas. Com isto, o governo conseguiu controlar a inflação e evitar a formação de estoques. Fez parte do plano também o grande investimento em obras públicas (estradas, aeroportos, ferrovias, energia elétrica, etc.), conseguindo diminuir significativamente o desemprego. O programa foi tão bem-sucedido que no começo da década de 1940 a economia norte-americana já estava funcionando normalmente.

 

Foto mostrando uma família muito pobre dos EUA, após a Crise de 1929
Família dos EUA no pós-crise de 1929: quebra da Bolsa de Valores de Nova Iorque gerou muita pobreza nos Estados Unidos e em diversos países do mundo.

 

QUIZ

 

Qual das alternativas abaixo apresenta uma das principais consequências da Crise de 1929 nos EUA?

 






 

 




Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).




Você também pode gostar de:


Temas Relacionados
Bibliografia Indicada

 

1929 - A crise que mudou o mundo

Autor: Brener, Jayme

Editora: Ática

 

Fontes de referência do texto:

 

- CAMPOS, Raymundo. Estudos de História Moderna e Contemporânea. São Paulo: Editora Atual, 1988.

- CÁCERES, Florival; PEDRO, Antônio. História Geral. São Paulo: Moderna, 1988.


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.



Copyright © 2004 - 2024 SuaPesquisa.com
Todos os direitos reservados.