Crise na União Europeia

Causas da crise econômica na Europa, consequências, ações de combate à crise, resumo sobre a crise econômica na Europa


Protestos de rua na Grécia contra medidas impopulares de combate à crise econômica
Protestos de rua na Grécia contra medidas impopulares de combate à crise econômica

 

Crise na União europeia

 

No plano econômico mundial, o ano de 2011 foi marcado pela crise econômica na União Europeia. Em função da globalização econômica que vivemos na atualidade, a crise se espalhou pelos quatro cantos do mundo, derrubando índices das bolsas de valores e criando um clima de pessimismo na esfera econômica mundial.

 

Principais causas da crise na UE:

 

- Endividamento público elevado, principalmente de países como a Grécia, Portugal, Espanha, Itália e Irlanda.

 

- Falta de coordenação política da União Europeia para resolver questões de endividamento público das nações do bloco.


Consequências da crise:

 

- Fuga de capitais de investidores;

 

- Escassez de crédito;

 

- Aumento do desemprego;

 

- Descontentamento popular com medidas de redução de gastos adotadas pelos países como forma de conter a crise;

 

- Diminuição dos ratings (notas dadas por agências de risco) das nações e bancos dos países mais envolvidos na crise;

 

- Queda ou baixo crescimento do PIB dos países da União Europeia em função do desaquecimento da econômica dos países do bloco.

 

- Contaminação da crise para países, fora do bloco, que mantém relações comerciais com a União Europeia, inclusive o Brasil. A crise pode, de acordo com alguns economistas, causar recessão econômica mundial.

 

Ações tomadas pela União Europeia para enfrentar a crise:

 

- Implementação de um pacote econômico anticrise (lançado em 27/10/2011);

 

- Maior participação do FMI (Fundo Monetário Internacional) e do Banco Central Europeu nas ações de enfrentamento da crise;

 

- Ajuda financeira aos países com mais dificuldades econômicas como, por exemplo, a Grécia.

 

- Definição de um Pacto Fiscal, que foi ratificado em 2012, cujos objetivos foram: garantir o equilíbrio das contas públicas das nações da União Europeia e criar sistemas de punição aos países que desrespeitarem o pacto. Vale destacar que o Reino Unido não aceitou o pacto, fato que aumentou a crise política na região.

 

* As ações de combate à crise foram coordenadas, principalmente, por França e Alemanha.  

 

Economia da União Europeia em 2018: o fim da crise

 

- O ano de 2018 começou bem para a União Europeia. O PIB do bloco econômico apresentou crescimento de 2,4% no primeiro trimestre do ano.

 

- De acordo com muitos economistas, a crise econômica na União Europeia, que teve início em 2011, terminou. Grande parte dos países da UE já apresenta bons resultados econômicos. O desemprego está em queda e as contas públicas estão entrando em patamares normais.






Crise na União Europeia Temas Relacionados

Veja Também


Temas diversos

Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.
Copyright © 2004 - 2019 SuaPesquisa.Com
Todos os direitos reservados.