Império Russo

Conheça a história do Império Russo e suas principais características políticas e sociais.


Pedro I, o grande: primeiro imperador do Império Russo
Pedro I, o grande: primeiro imperador do Império Russo


O que foi

 

O Império Russo foi um período da história russa em que o sistema de governo era a Monarquia Absolutista (entre 1721 a 1906). Entre 1907 e 1917, a forma de governo que vigorou foi a Monarquia Constitucional.

 

O país e territórios sob sua influência eram governados por um imperador (czar). Esta fase durou de 1721 até 1917 (ano da Revolução Russa).

 

O Império Russo foi um dos maiores da História no que se refere a extensão territorial. Em 1906, o território do Império Russo era de, aproximadamente, 21 milhões de quilômetros quadrados. A população estimada em 1916 era de 182 milhões de habitantes.



Principais características do Império Russo:

 

Governo centralizado nas mãos do imperador. A nobreza era a classe mais privilegiada em direitos.

 

A nobreza e o governo eram mantidos por elevada carga de impostos pagos pelos russos mais pobres (trabalhadores rurais, pequenos proprietários, artesãos, etc.) e por taxas cobradas das regiões sob influência russa.

 

A moeda utilizada na Rússia Imperial era o rublo (mesma moeda atual).

 

O grande poderio militar russo foi usado para dominar e manter as regiões conquistadas pelo governo imperial russo.

 

O império era formado pelo território russo e regiões sob sua influência (dominados) como, por exemplo, Finlândia, Alasca (atualmente dos EUA), Mongólia, Cazaquistão e áreas da Ásia Central.

 

Foi de grande importância para a derrota de Napoleão entre 1812 e 1814.

 

Tinha como base econômica a agricultura. O feudalismo existiu até 1861, ano em que foi abolido e os servos libertados de suas obrigações servis.

 

A religião oficial era o cristianismo, sendo a Igreja Ortodoxa Russa a de maior poder e com maior número de seguidores.

 

O primeiro imperador foi Pedro I (Pedro, o grande), que governou como czar de 1721 a 1725. É considerado um dos fundadores do Império Russo. Ele foi integrante de uma das principais dinastias russas, a Romanov.

 

O último imperador foi Nicolau II, que governou de 1894 a 1917. Foi executado pelos bolcheviques em 1918.

 

A capital do Império Russo foi São Petersburgo.



Os principais imperadores (czares) e imperatrizes (czarinas) do Império Russo foram:

 

 

- Ivan IV, o Terrível: governo entre os anos de 1547 e 1584.

 

- Pedro I, (Pedro, o grande): imperador de 1721 a 1725.

 

- Catarina I: czarina entre 1725 a 1727

 

- Pedro II: imperador entre 1727 a 1730

 

- Ana da Rússia: czarina entre 1730 a 1740

 

- Isabel I: imperatriz entre 1741 a 1761

 

- Catarina II da Rússia: imperatriz de 1761 a 1796

 

- Alexandre I: imperador de 1801 a 1825

 

- Nicolau I: imperador de 1825 a 1855

 

- Alexandre II: imperador de 1855 a 1881

 

- Nicolau II – czar de 1894 a 1917

 

Retrato de Nicolau II, último imperador e czar da Rússia

Nicolau II, último imperador e czar da Rússia.

 

A crise e o fim do império russo

 

A queda do Império Russo, um momento crucial no século XX, foi precipitada por uma série de crises que culminaram na Revolução Russa de 1917. O império, governado pela dinastia Romanov por mais de três séculos, estava lidando com imensos desafios internos no início dos anos 1900. A rápida industrialização e urbanização trouxeram mudanças sociais significativas, mas estas não foram acompanhadas por reformas políticas. A grande maioria dos russos vivia na pobreza, enquanto a elite desfrutava de opulência. A desastrosa Guerra Russo-Japonesa de 1904-1905 e a Primeira Guerra Mundial minaram severamente a credibilidade do governo. Estes conflitos expuseram as ineficiências administrativas e as fraquezas militares do império, levando a um amplo descontentamento entre a população. As perdas catastróficas e a tensão econômica da Primeira Guerra Mundial exacerbaram particularmente a situação, levando a graves escassez de alimentos, inflação e uma queda acentuada no padrão de vida.


A situação chegou a um ponto crítico em fevereiro de 1917, quando protestos e greves massivas eclodiram em Petrogrado (agora São Petersburgo). A causa imediata foi a escassez de alimentos, mas a agitação refletia frustrações mais profundas com o regime autocrático do czar Nicolau II. A decisão do czar de comandar pessoalmente o exército durante a Primeira Guerra Mundial, deixando os assuntos domésticos nas mãos da czarina e do impopular místico Rasputin, alienou-o ainda mais de seu povo e da elite política. À medida que os protestos cresciam, o exército cada vez mais se aliava aos manifestantes, tornando a posição do czar insustentável. Em março de 1917, Nicolau II abdicou, encerrando o governo da dinastia Romanov e efetivamente dissolvendo o Império Russo. Isso marcou o início de um período de mudança política radical, levando à criação do Governo Provisório Russo e, eventualmente, à ascensão dos bolcheviques sob Vladimir Lenin, que estabeleceria o regime soviético. A queda do Império Russo não foi apenas o fim de uma dinastia; significou uma mudança profunda nas estruturas de poder globais e o início de uma nova era tumultuada na história russa e mundial.

 

 




Por Jefferson Evandro Machado Ramos
Graduado em História pela Universidade de São Paulo - USP (1994).




Você também pode gostar de:


Temas Relacionados
Bibliografia Indicada

 

Rússia - Ascensão e Queda de Um Império. Uma História Geopolítica e Militar da Rússia, dos Czares ao Século XXI

Autor: Bertonha, João Fábio

Editora: Juruá


Os textos deste site não podem ser reproduzidos sem autorização de seu autor.
Só é permitida a reprodução para fins de trabalhos escolares.



Copyright © 2004 - 2024 SuaPesquisa.com
Todos os direitos reservados.